Dica do profissional

Bate papo com Anderson Lula

O bate papo de hoje é com Anderson Lula Aragão, ele é formado em Arquitetura e Urbanismo e também tem especialização em Planejamento de Trânsito e Transportes. Anderson Lula tem um escritório desde 2007 e foca sua carreira na arquitetura contemporânea, tendo clientes corporativos de renome, ele já projetou residências, escritórios indústrias, escolas, hospitais e muito mais. Quer conhecer um pouco do trabalho dele e descobrir novas dicas? Acompanhe, tenho certeza que vai adorar.

UCCP – Dê onde tira suas inspirações?

Anderson Lula – Gosto de trazer referências de viagens, regionais e contemporâneas. Às vezes os elementos estão no projeto de forma singela, mas no conjunto da obra exprimo minhas emoções dentro de um conceito que atenda às expectativas dos contratantes.

UCCP – Você já projetou indústrias, usinas e centros médicos, esses projetos são bem diferentes dos residenciais, mas qual a principal diferença e no que precisa levar em consideração?

Anderson Lula – Já projetei sim: usina de asfalto, industrias de mineração e água mineral, centros administrativos, parques de feiras, galpões industriais, centros médicos, UPA, escolas, etc. O trabalho de uso coletivo é totalmente diferente do residencial em todos os aspectos: ergonomia, acessibilidade, estética e tecnologia construtiva. Enquanto o residencial é bem personalizado, o comercial, industrial ou institucional possui regras a serem seguidas: normativas específicas, unidade com outras sedes, padrões da marca, etc. O conceito do arquiteto as vezes fica mais restrito, outro ponto é o orçamento que precisa ser muito enxuto e nenhum investidor corporativo abre mão disso.

UCCP – Ingressar no mercado de trabalho como arquiteto é complicado? Como foi com você?

Anderson L. – Atualmente temos tido um excesso de faculdades oferecendo cursos de arquitetura e design, não existe mercado para tanta gente… Além de que o nível do aprendizado está entre insuficiente e razoável. Poucos alunos despontam como futuros profissionais de sucesso, quando seleciono estagiário faço entrevista, prova escrita e um projeto de avaliação (simples). Pasme, mas as vezes chego a 50 candidatos para uma vaga, pois muitos sequer chegam na fase do projeto. O português falho, não sabem calcular área de pisos, inclinação de telhados e não sabem o dimensionamento de quase nada. (desenham granitos com 3cm ou 5 cm – fora do padrão; não sabem as larguras de porta e fazem de todo jeito… Planta “baicha” e “cosinha” foram palavras encontradas em desenhos…. Quase surto quando vejo coisas assim.
Na minha época era muito diferente, tínhamos 6h/aula por dia, além de aulas extras, aos sábados, e ainda fora isso a quantidade de atividades de preparação e projetos era de extrema exigência por parte de nossos professores. Fui contratado como assistente de arquitetura ainda no 7º período, e sempre tive uma alta cotação para trabalhar em outros escritórios e construtoras.Anderson Lula UCCP – Qual projeto você fez e mais gostou?

Anderson L. – Não tenho um específico, tenho alguns que me deram muito prazer em fazer por serem peculiares, diferentes, ou tiveram um grau de dificuldade muito alto que demandaram um estudo maior e mais aprofundado, gerando um resultado incrível. Como por exemplo um projeto de casa-navio (uma residência com ares de navio).

UCCP – Qual projeto foi mais desafiador?
Anderson L. – Fiz uma residência girar 180º praticamente num projeto de reforma, para valorizar os ventos. E outra em terreno bastante inclinado e íngreme.

UCCP – Mostrei em um vídeo os projetos do Bjarke Ingels que são bem diferentes e inovadores. O que você acha desse tipo de projeto?
Anderson L. – Não conheço com profundidade as obras dele, mas acho sua inventividade incrível, a exploração que faz com os aspectos naturais, jogo de formas e sua ousadia.

UCCP – Qual a principal qualidade que um arquiteto deve ter?
Anderson L. – Ter consciência de seu trabalho: ser criativo, econômico, saber utilizar os materiais de forma racional e respeitar a cidade e o entorno de suas obras.

UCCP – Qual tipo de projeto mais curte, comercial ou residencial?
Anderson L. – O tema é o que menos importa. Gosto de clientes que permitam a criação, tem cliente que não sabe o que quer ou quer coisas demais… Isto deixa o trabalho mais “trabalhoso”, não pelo projeto em si, mas por sua gestão e tratar dos valores humanos envolvidos.Anderson Lula UCCP – Qual o melhor programa para criar projetos? E quais já usou?
Anderson L. – Eu sou do tipo de crio projetos no papel, à lápis. O traço feito a mão é insubstituível… Permite a fluidez das ideias, das formas e expressões. A intenção sai como um poema,  depois os programas de computador só servem para fazer o desenho técnico, são práticos para uso e correções. Não vejo a tecnologia com coisa ruim, pelo contrário, mas criar do zero algo no computador fica frio e engessado.

UCCP – Tem algum espaço decorado por você que possa mostrar e falar um pouco sobre?
Anderson L. – Tenho sim. Ambos foram feitos para uma mostra de decoração e tivemos o conceito de sustentabilidade, economia e reaproveitamento, ambos foram pré selecionados para uma premiação no X Isaloni, em Milão (feira internacional do móvel de Milão, em 2010), um deles foi premiado como projeto sustentável: a adega.
ADEGA: cadeira destaque foi restaurada e pintada por mim. Ao fundo na imagem onde se colocam os vinhos, foram feitos com canos de esgoto com diâmetros diferentes. Cadeiras de barril compõem a mesa, tapete feito com sobras, formando um trançado.

ADEGA - MORAR MAIS 2010
ADEGA – MORAR MAIS 2010

OFICINA DO DONO DA CASA: espaço criado para o dono da casa guardar sua coleção de fuscas, que era o tema do ambiente. A poltrona feita com a tampa do motor do fusca foi o ponto forte, a estante com objetos foi feita com parafusos e elástico de costura (para cós de roupas) painel em pallet e papel de parede em jornal usado. O cone de transito virou luminária.

OFICINA DO DONO DA CASA - MORAR MAIS 2010
OFICINA DO DONO DA CASA – MORAR MAIS 2010

Jogo rápido:
Um arquiteto e ou decorador: Zaha Hadid
Um ambiente: Sala de estar com adega integrada
Um lugar: minha casa
Um projeto (de vida): Permitir que todas as pessoas tenham acesso a um arquiteto e que tenham suas vidas melhoradas com seu auxílio.
Uma edificação: casa batló, de gaudi.

Curtiu? Se quiser conhecer um pouco mais do trabalho do Anderson entre no site dele AQUI, tem bastante projeto legal lá. E se quiser saber como fazer um projeto ou contratar o Anderson Lula você também consegue por lá 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *